Design a site like this with WordPress.com
Iniciar

Santuário do Bom Jesus do Monte

Direitos de imagem: @SantuarioDoBomJesusDoMonte

🇵🇹 Há muitas coisas que fazem com que o Bom Jesus seja lugar de visita obrigatória, uma e outra vez. Um escadório com perto de 600 degraus, um ascensor movido a água, um “canudo” que permite ver toda a cidade ou uma estrada onde os carros sobem sozinhos. Estes são apenas alguns dos pontos a destacar.

Vamos por partes.

O Bom Jesus é um dos monumentos mais famosos de Braga e em julho de 2019 foi declarado Património Mundial da Humanidade pela Unesco. Localiza-se na freguesia de Tenões, muito próximo do Santuário do Sameiro e a sua origem data de 1373, quando uma ermida começou a ser construída naquele lugar. A segunda ermida chegou mais de 100 anos depois, em 1494. Mais tarde, em 1722, por iniciativa de D. Rodrigo de Moura Teles, dá-se a construção das Capelas da Via Sacra, do Pórtico e dos Escadórios dos Cinco Sentidos. Em 1784, em resposta a um fluxo de peregrinos cada vez maior, o Arcebispo D. Gaspar de Bragança confia, ao arquiteto Carlos Amarante, a tarefa de desenhar uma nova basílica, que viria a ser concluída em 1811. O design apresenta linhas simples e superfícies lisas, em conformidade com o estilo neoclássico. Hoje, circundado por fontes e estátuas barrocas e por um manto de vegetação centenário, o Bom Jesus tem várias coisas que o tornam especial.

O Santuário é composto por uma escadaria monumental, com 573 degraus que, seguindo os passos da Via Sacra, forma um complexo de caráter religioso. Iniciando com um arco de 7 metros de altura e 4 metros de largura, a escadaria serpenteia entre vegetação densa ao longo de 376 degraus até ao largo que precede o escadório seguinte – dos Cinco Sentidos. A partir daí, em cada lanço de escadas existe uma fonte correspondente a um dos sentidos humanos. Uma estátua a expelir água pelos olhos representa a visão, pelos ouvidos a audição, pelo nariz o olfato, pela boca o paladar e, por último, uma estátua com as duas mãos a segurar uma bilha que deita água simboliza o tato.

Depois da escadaria alegórica do sistema sensorial, vem o Escadório das Virtudes. Este trecho não constava nos planos iniciais da construção de D. Rodrigo de Moura Teles, tendo sido desenhado, posteriormente, por Carlos Amarante, ao mesmo tempo que a basílica. Essa é a razão pela qual são notórias algumas diferenças desta escadaria – num estilo neoclássico – relativamente às restantes – num estilo barroco. Aqui podem encontrar-se fontes alusivas à fé, esperança e caridade – virtudes teologais necessárias à entrada no templo. Findo o Escadório das Virtudes, estamos no Largo do Pelicano, antigamente denominado Terreiro de Moisés, onde anteriormente se encontrava a Capela Elipsoidal, mandada construir por D. Rodrigo Moura de Teles, antes da construção da atual basílica.

Já no adro, onde se encontra a famosa basílica, reside um conjunto de estátuas, representativo de personagens bíblicas ligadas à Paixão de Cristo: Anaz, Caifaz, Herodes e Pilatos de um lado e José de Arimateia, Nicodemos, Centurião e Pilatos do outro.

Na mesma área, a estátua de São Longuinho – um dos soldados presentes na crucificação de Jesus Cristo que acabou por se converter, tornando-se, mais tarde, santo – possui especial importância, porque se encontra localizada num pedestal onde, antes da construção do Largo do Pelicano – ex Terreiro de Moisés -, estava a torre da igreja ancestral do Bom Jesus do Monte.

Mais acima, o Terreiro dos Evangelistas é o local onde se encontram as três últimas capelas da Via-Sacra, relativas à aparição de Jesus Cristo: Capela da Aparição de Cristo, Capela da Ascensão e Capela do Encontro de Emaús. O terreiro aberto no séc. XVIII, entre 1750 e 1760, tem uma disposição octogonal, um chafariz ao centro e as estátuas dos quatro Evangelistas – Mateus, Marcos, Lucas e João.

Se ainda restam dúvidas de que o Bom Jesus de Braga seja merecedor de uma visita, os extensos jardins e o lago, onde poderá andar num barco de madeira, arrasam com quaisquer incertezas. Grutas, trilhos por descobrir e coretos, fazem deste parque um espaço único de diversão para toda a família.

Indissociável do Bom Jesus é, também, o funicular. Hoje, com 140 anos de serviço, foi o primeiro a ser construído na Península Ibérica e é, atualmente, o mais antigo, em serviço, no mundo, a circular com um sistema de contrapeso de água. Datado de 1882, foi desenhado à distância pelo engenheiro suíço Nikolaus Riggenbach, mas o grande mérito coube ao jovem engenheiro luso-francês Raul Mesnier de Ponsard, que interpretou os desenhos recebidos por correio e testou na encosta as soluções possíveis. O projeto foi logo pensado para funcionar a água, pois o país não tinha carvão em quantidade suficiente (era importado) e a água abundava naquela zona.

Já ouviu a expressão “Ver Braga por um canudo”? Está intimamente ligada ao Santuário e deriva de um miradouro onde hoje está um telescópio, mas onde, em tempos, já esteve um canudo. A expressão em si, foi imortalizada pelo intemporal Rafael Bordalo Pinheiro – criador, entre outras coisas, da caricatura do Zé Povinho – e diz-se que terá como significado “morrer na praia”, ver as expectativas frustradas, ficar perto de um objetivo mas não conseguir atingi-lo, devido ao nevoeiro que, com alguma frequência, se faz sentir no Bom Jesus e que impede uma observação límpida da cidade; ou devido à proximidade enganadora que o próprio “canudo” produz: o sentimento do quase estar na cidade mas não estar.

Pode aceder ao Bom Jesus de autocarro com os TUB, de táxi ou Uber, facilmente acessíveis através de qualquer ponto da cidade. No entanto, se tiver a possibilidade de se deslocar de carro, não deixe de experienciar a saída do Santuário onde, colocando o carro em ponto morto, ele se desloca em sentido contrário ao da inclinação do terreno.

Chamam-lhe a “estrada mágica do Bom Jesus do Monte“ e não é mais que uma pequena rampa que liga o Parque do Bom Jesus à estrada nacional que nos leva de volta à cidade ou em direção ao Sameiro. Aqui, os carros sobem quando deviam descer e é fácil assistirmos a expressões de estupefação nas caras dos condutores que todos os dias põem à prova a “magia” daquela estrada. Na verdade, o fenómeno tem uma explicação física, bastante lógica e até simplista. Luís Cunha, professor de Física na Universidade do Minho, explicou ao Porto Canal, há alguns anos atrás, que há uma perceção de inclinação negativa – a ideia de estarmos a descer para uma zona mais baixa – que nos é dada pelo facto de a rampa desembocar numa estrada cuja inclinação é bastante acentuada. O que de facto sucede, é que a rampa está inclinada positivamente, ou seja, a subir para uma zona onde desemboca com outra estrada com ainda maior inclinação positiva. Como elas estão em paralelo e a inclinação de uma é bem maior que a outra, criamos a ilusão de que estamos a descer até ao cruzamento, quando na verdade estamos a subir na sua direção.

No complexo, há vários hotéis pertencentes à confraria do Bom Jesus, onde poderá pernoitar. No exterior, é possível agendar passeios a cavalo. E para quem procurar animação noturna, a discoteca do castelo do Bom Jesus é, também, uma opção.

Próximo do Bom Jesus, fica o restaurante Abadia d’Este, um lugar agradável onde poderá degustar pratos típicos da cidade, como o Cabrito Assado ou o Bacalhau à Minhota. Termine com chave de ouro e opte pelo Pudim Abade de Priscos para sobremesa.

🇬🇧 There are many things that make Bom Jesus a must-visit place, time and time again. A staircase with nearly 600 steps, a water-powered elevator, a “straw” that allows you to see the entire city or a road where cars go up alone. These are just some of the points to highlight.

Let’s do it by steps.

Bom Jesus is one of the most famous monuments in Braga and in July 2019 it was declared a World Heritage Site by Unesco. It is located in the parish of Tenões, very close to the Sanctuary of Sameiro and its origin dates back to 1373, when a chapel began to be built there. The second chapel arrived more than 100 years later, in 1494. Later, in 1722, on the initiative of D. Rodrigo de Moura Teles, the construction of the Chapels of the Via Sacra, the Portico and the Escadórios dos Cinco Sentidos takes place. In 1784, in response to an ever-increasing flow of pilgrims, Archbishop D. Gaspar de Bragança entrusted the task of designing a new basilica to the architect Carlos Amarante, which would be completed in 1811. The design features simple lines and smooth surfaces, in keeping with the neoclassical style. Today, surrounded by Baroque fountains and statues and a mantle of centenary vegetation, Bom Jesus has several things that make it special.

The Sanctuary is composed of a monumental staircase, with 573 steps that, following the steps of the Via Sacra, form a complex of religious character. Starting with an arch 7 meters high and 4 meters wide, the staircase winds through dense vegetation along 376 steps to the square that precedes the next staircase – Cinco Sentidos. From there, on each flight of stairs there is a source corresponding to one of the human senses. A statue expelling water through the eyes represents sight, through the ears, hearing, through the nose, smell, through the mouth, taste and, finally, a statue with both hands holding a jug that pours water symbolizes touch.

After the allegorical staircase of the sensorial system, comes the Escadório das Virtudes. This section was not included in the initial plans for the construction of D. Rodrigo de Moura Teles, having been later designed by Carlos Amarante, at the same time as the basilica. This is the reason why are noticeable some differences between this staircase – in a neoclassical style – compared to the others – in a baroque style. Here you can find sources alluding to faith, hope and charity – theological virtues necessary for entering the temple. At the end of the Escadório das Virtudes, we are at Largo do Pelicano, formerly called Terreiro de Moisés, where the Ellipsoidal Chapel used to be, built by D. Rodrigo Moura de Teles, before the construction of the current basilica.

In the churchyard, where the famous basilica is located, there is a set of statues, representing biblical characters linked to the Passion of Christ: Anaz, Caifaz, Herod and Pilate on one side and Joseph of Arimathea, Nicodemus, Centurion and Pilate on the other.

In the same area, the statue of São Longuinho – one of the soldiers present at the crucifixion of Jesus Christ who ended up being converted, later becoming a saint – is of special importance because it is located on a pedestal where, before the construction of Largo do Pelicano – ex Terreiro de Moisés -, was the tower of the ancestral church of Bom Jesus do Monte.

Further up, the Terreiro dos Evangelistas is the place where the last three chapels of the Via Crucis are located, relating to the apparition of Jesus Christ: Capela da Aparição de Cristo, Capela da Ascensão and Capela do Encontro de Emaús. The terreiro opened in the century XVIII, between 1750 and 1760, it has an octagonal layout, a fountain in the center and the statues of the four Evangelists – Matthew, Mark, Luke and John..

If there are still doubts that Bom Jesus de Braga deserves a visit, the extensive gardens and the lake, where you can ride in a wooden boat, destroy any uncertainties. Caves, trails to discover and bandstands make this park a unique place of fun for the whole family.

Inseparable from Bom Jesus is also the funicular. Today, with 140 years of service, it was the first to be built on the Iberian Peninsula and is currently the oldest in service in the world to circulate with a water counterweight system. Dating back to 1882, it was designed from a distance by the Swiss engineer Nikolaus Riggenbach, but the great merit went to the young Portuguese-French engineer Raul Mesnier de Ponsard, who interpreted the drawings received by mail and tested the possible solutions on the slope. The project was soon conceived to run on water, as the country did not have enough coal (it was imported) and water was plentiful in that area.

Have you ever heard the expression “See Braga through a straw”? It is closely linked to the Sanctuary and derives from a viewpoint where a telescope is now located but where a straw once was. The expression itself was immortalized by the timeless Rafael Bordalo Pinheiro – creator, among other things, of the caricature of Zé Povinho – and it is said that it will mean “to die on the beach”, to see expectations frustrated, to stay close to a goal but not being able to reach it, due to the fog that with some frequency is felt in Bom Jesus and which prevents a clear observation of the city; or due to the deceptive proximity that the “straw” itself produces: the feeling of almost being in the city but not be.

You can access Bom Jesus by bus with TUB, taxi or Uber, easily accessible from anywhere in the city. However, if you have the possibility to travel by car, be sure to experience the exit of the Sanctuary where, putting the car in neutral, it moves in the opposite direction to the slope of the terrain.

They call it the “magic road of Bom Jesus do Monte” and it is nothing more than a small ramp that connects Parque do Bom Jesus to the national road that takes us back to the city or towards Sameiro. Here, the cars go up when they should go down and it’s easy to see the expressions of astonishment on the faces of the drivers who put the “magic” of that road to the test every day. In fact, the phenomenon has a physical explanation, quite logical and even simplistic. Luis Cunha, professor of Physics at the University of Minho, explained to Porto Canal, a few years ago, that there is a perception of a negative slope – the idea that we are descending to a lower area – which is given to us by the fact that the ramp lead to a road whose slope is quite steep. What actually happens is that the ramp is positively inclined, that is, going up to an area where it ends with another road with an even greater positive inclination. As they are parallel and the slope of one is much greater than the other, we create the illusion that we are going down to the intersection when in fact we are going up towards it.

In the complex, there are several hotels belonging to the brotherhood of Bom Jesus, where you can stay overnight. Abroad, it is possible to schedule horseback riding. And for those looking for nightlife, the Castelo do Bom Jesus disco is also an option.

Close to Bom Jesus, is the Abadia d’Este restaurant, a pleasant place where you can taste typical dishes of the city, such as Cabrito Assado or Bacalhau à Minhota. Finish on a high note and opt for Pudim Abade de Priscos for dessert.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers gostam disto: